terça-feira, 19 de junho de 2012

Editorial - Microsoft lança Surface Tablet com Windows 8 (RT e x64), com hardware da própria Microsoft. Porque isso é tão importante? Leia abaixo…

surface_01_crop1A Microsoft raramente entra em um mercado para perder. Quando acontece é  sempre uma surpresa para todos que entendem do assunto. Uma coisa que a Microsoft tem de diferente da Apple, que é uma das poucas empresas que pode se comparar a ela em inovação, é que ela pensa quase sempre a longo prazo. Hoje vemos mais uma dessas visões que com certeza está aqui para mudar o jogo e o mercado existente, e quem sabe ter a liderança em alguns anos. O porque disso? Porque finalmente a Microsoft resolveu entrar no mercado de tablets, mas não como a Google fez, e sim com uma visão mais parecida com a Apple, mas com uma pitada de brilhantismo da Microsoft que aparece de tempos em tempos.
Veja abaixo o porque a Microsoft tem tudo para dominar o mercado de tablets, não hoje, mas em um futuro não muito longínquo.

Muitos esquecem que a Microsoft é também uma empresa de hardware e não só de software. Alguns porque não jogam mais videogames, outros porque nem se tocam que seus mouses ou teclados tem a marca da empresa de Redmond. Mas é fato que ela faz hardware e muitas vezes traz inovações que quase ninguém lembra, mas revolucionam o mercado.
Quer ter uma ideia? Lembra do “mouse de bolinha”? O seu mouse hoje é provavelmente de Laser ou óptico não é? Pois bem, foi ela que lançou o primeiro mouse óptico do mundo, o Intellieye em 1999, e acreditem, eu tenho um desses que ainda funciona aqui. Ela também trouxe o primeiro a laser e também o primeiro de radio frequência (RF). Foi a primeira a fazer joysticks com Force Feedback, que hoje tem em qualquer controle de videogame. E muitas outras inovações ótimas estão em seu curriculum.

Não é só de periféricos que vive essa empresa. Ela também se aventurou em certos mercados, que nem sempre deram certo, talvez por um timing errado ou por não ter uma boa interface inicialmente. O caso do Zune por exemplo, o primeiro veio tarde demais e não era melhor que o iPod em nada. O segundo, o Zune HD, era ótimo, mas veio depois do iPod touch, que também era muito bom e já tinha uma base maior de usuários. Mesmo o serviço inovador de “aluguel” de musicas, não salvou a marca e o Zune morreu e foi incorporado ao Windows Phone.
Mas quer uma amostra do poder de visão futura e perseverança? Vejam o Xbox por exemplo. Quando foi lançado muitos diziam ser um fracasso, que a divisão de jogos só dava prejuízo e que não entendiam o porque da Microsoft entrar nesse ramo. Pois bem, na segunda geração já com o Xbox 360, mesmo com um tropeço no início com o caso das três luzes vermelhas (eu fui uma das vítimas) ela deu a volta por cima, e hoje tem a maior fatia do mercado. Tirou da liderança empresas que estavam há décadas no ramo (Nintendo e Sony), e é a que tem o maior lucro do mercado também. Ela tem franquias exclusivas com nome de peso como Halo e Gears of War e não há previsão de que isso vá diminuir, com Kinectic, SmartGlass (mais uma possibilidade de integração com o Surface) e afins.

Já sabemos então que ela sabe fazer hardware e que tem visão a longo prazo, então o que podemos esperar de um tablet da Microsoft? Simples, muita inovação e uma mudança de paradigma.

Os tablets de hoje em dia nada mais são do que grandes telefones, sejamos sinceros. Eles são aparelhos com telas grandes mas com sistemas mobiles, feitos inicialmente para telefones. Mesmo que alguns desses aparelhos sejam ótimos para coisas que o telefone não é lá muito bom, como ler livros, e ver filmes, eles ainda estão totalmente limitados por seus sistemas. Quer escrever um longo documento de texto com boa qualidade de diagramação? Quer fazer mudanças na sua planilha de trabalho? Quer fazer uma grande mudança em sua apresentação? Desista, esses não são os aparelhos indicados. Por enquanto…

O novo tablet da Microsoft é um PC e é um tablet. Fundamentalmente porque ele rodará a versão do Windows 8, seja para ARM (RT) ou a versão completa para processadores X64 (Intel). Ambas as versões serão tablets com programas belos, simples, de estilo mobile feitos em HTML5, mas também serão computadores completos capazes de fazer tudo que seu Notebook faz hoje em dia, ou até mais. Ou seja, esqueça iPad com iOS, seria como um iPad com OSX para vocês do mundo Apple, só que com um teclado (opcional?) simplesmente BRILHANTE. Já imaginou? Poder ter um Mac Air e um iPad na mesma máquina? Pois é, pode, mas com o mundo Windows, que tem hoje mais de 1 bilhão de usuários e mais programas do que o OSX.

surface_01_crop1surface_04_crop1surface_03_crop1surface_05_crop2surface_02_crop 1
                    surface_05_crop1surface_05_crop3Specs

Você deve estar se perguntando então, qual a vantagem de ter um Tablet da própria Microsoft e não comprar um da HP, Asus ou Dell? Bom, há várias. A Microsoft tem mais dinheiro para investir em inovação e design do que a maioria dessas empresas, se não do que todas elas juntas. Ela é quem faz o software, então, à partir do momento que ela escolhe um hardware e se atém a ele, ela pode otimizar o software para esse hardware ao máximo, coisa que só a Apple pode fazer com seus PCs e gadgets hoje em dia. A Google pode de certa forma com seus aparelhos Nexus, mas mesmo eles tem várias versões diferentes ao redor do mundo, a Apple reduziu para 1 versão com os novos iPads e iPhone 4S. Todos os drivers e melhorias podem e devem sair primeiro para os tablets da Microsoft, afinal, não envolvem infinitas combinações de processadores e memórias que os outros fabricantes tem. Ela é uma empresa gigante, com enorme poder de marketing e de barganha com fornecedores, então pode fazer algo com uma qualidade ótima e ainda assim não perder dinheiro, ou ganhar bastante dinheiro, vendendo a um preço decente.

Imagine agora, como será o pensamento das pessoas nas lojas. Porque levar um tablet (seja qual for o sistema operacional) se eu posso ter um PC completo que faz o mesmo que o outro faria, com a possibilidade de fazer tudo que meu note faz também? Se a pessoa for racional, não há nem como escolher a outra possibilidade.
Agora que sabemos o quanto esse aparelho pode mudar o mercado, veremos o que ele traz de novo, além de usar um OS completo.

Video promocional do Surface


O aparelho em si é bem parecido com os tablets atuais em matéria de dimensões. Menos de 1 cm de espessura no RT (9,3mm) e com 13,5mm no PRO , com tela HD Clear Type no RT e Full HD Clear Type no PRO com 10.6 polegadas em ambos. Pelas impressões de quem o viu de perto dizem ser cristalinas e com ótimo ângulo de visão. Portas FULL USB (2.0 no RT e 3.0 no PRO), saídas de vídeo digital, entrada MicroSD(RT) e MicroSDXC(PRO) e câmeras frontal e traseira. Até aí, nada demais, alguns tablets tem esses itens ou especificações bem parecidas. Mas o Surface (Windows 8 RT) e o Surface PRO (versão com Windows 8 completo e Core i5 IveBridge) já se diferenciam de cara por oferecer um stand (tipo de pé) na traseira com meros 0.7mm de espessura. Isso faz com que o tablet fique em pé sem precisar ser segurado, mais ou menos em um angulo de visão de um notebook hoje em dia.
O material do aparelho é uma liga de Magnésio, que faz com que ele seja muito resistente, leve, e bonito. Ele é todo anguloso e segundo a MS mesmo essa característica foi muito pensada, para que os ângulos (22º) fossem os melhores para o usuário (já achei meio exagero, mas ok). Ele traz também antenas 2x2 MIMO. Não foram dadas especificações mas pelo que entendi, elas farão com que se tenha ótima recepção independente de como se segure o aparelho, sempre com antena reserva.

Outra inovação é a capa, que tem teclado embutido. Sim, a capa (essa sim “smart” na minha opinião) vem com teclado touch, ou normal (há duas versões) com 3mm de espessura (segundo a MS nem precisava ser tanto, mas eles acharam melhor ter no mínimo isso para dar um ar de mais qualidade e necessidade) e também tem dispositivo magnético de acoplamento. As capas tem também um touchpad, com dois botões inclusos, e é inteligente a ponto de poder repousar as mãos sobre o teclado touch e ele não digitar sozinho, pois tem sensores de aceleração e pressão para saber se é para digitar ou não.

Outra inovação interessante é a possibilidade de anotar coisas, em qualquer tela ou programa, com uma caneta que tem ponta fina (não é aquelas compradas no xingling que imitam dedos) e que é diferenciada de um toque de mão ou dedos, ou seja, poderemos usar o Surface como um bloco de notas ou caderno de verdade (sonho com isso há anos). Não sei ainda se a caneta tem diferentes níveis de pressão, mas não me surpreenderia se tivesse.

Todas essas coisas somadas, junto com o fato de pela primeira vez a empresa das janelas estar entrando no ramo de tablets com tudo, me faz crer que em alguns anos, ela será a líder do mercado e tomará a liderança da maçã, que hoje é incontestável. A Apple vai continuar vendendo muito é claro, afinal os aparelhos são bons e ela tem uma legião de fans, mas acho que o tablet da MS vai roubar mercado não só do iPad, mas também do Mac Air. Afinal de contas, a Apple não deve sair correndo e lançar um iPad com OSX e mesmo que ano que vem dê a louca e ela resolva fazer isso, pode ser um tiro no pé, devido a todos os que já tem o aparelho ficarem irritados com o movimento. Uma saída pode ser lançar o New Air, sendo um tablet com OSX, e admitir que a ideia da Microsoft é a ideal, mas ainda poder concorrer com ela. Outro problema é, a Apple não tem o seu OS completo (OSX) rodando em hardware ARM, é um OS baseado em Linux e teoricamente dá para fazer, mas ela não tem pronto, e isso demora.

E como ficam os tablets Android? Bom, a Google vai lançar em poucos dias a sua nova versão de Android o Jelly Bean, e com ela um “Nexus Tablet” algo como o tablet Google padrão, como existe nos telefones. Mas ele tem tudo para ser de 7 polegadas (pelos rumores), pegando assim uma fatia diferente do Surface e do iPad. Ele será fabricado pela ASUS que com certeza sabe fazer bom hardware e tem capacidade de produção em massa. Pode dar certo, mas se formos levar em conta o mercado de tablets Android atual, o cenário não é dos melhores. A não ser que o Jelly Bean seja uma mudança muito boa para tablets (o que duvido pois deve ser uma evolução do Ice Cream Sandwich, que já é um excelente OS), o mercado da Google de tablets pode ficar esmagado entre as outras duas gigantes, assim como o de telefones da Microsoft fica hoje esmagado entre os Androids e o iPhone. Mas até isso pode mudar, já que com o Windows 8 e o Surface com interfaces parecidas e com programas “universais” (HTML5) a plataforma mobile da MS pode ganhar muitos adeptos, ela também ganhará nova versão (WP8) ainda nesta quarta-feira dia 20 provavelmente.

A gigante que faltava entrou na arena, que comecem os jogos…

Márcio Mattos

2 comentários:

  1. Olá Márcio, mais uma vez PARABÉNS!!!

    Você realmente sabe como explicar detalhadamente, você é o cara. Também acredito no SURFACE e na integração total entre XBOX, Windows Phone 8 e PC Windows 8 (surface), agora os ultrabooks vão ter que aumentar seu desempenho gráfico para ser o único diferencial, e o WP8 também esta bem legal! mas vou esperar sua matéria! rsrs
    Abraço! Parabéns!!!

    ResponderExcluir
  2. Obrigado pela força Cleidimar. Peço desculpas pela falta de matérias novas, mas em breve isso vai mudar :)
    Tenho várias matérias e editorias para entrar em pouco tempo e de agora em diante as coisas ficarão mais movimentadas por aqui.
    Aconselho a assinar o RSS feed por email pois ele estará movimentado hehe.
    Sobre a integração eu acho que será muito boa, e cada um tende a lançar a sua.
    Google com seus Android, celulares e tablets, e com o Nexus Q (falaremos em breve) que servirá de testes por agora.
    A Apple ja tem uma boa integração com o seu iCloud e com o iPhone, iPad e AppleTV, mas falta ainda melhorias com o OSX. Veremos quem se dá melhor, mas acho que tem espaço para todas se darem bem.
    Abraços.

    ResponderExcluir